domingo, 21 de junho de 2009

Grand Stan

Aaaah, que maravilha!, voltei ao bom e velho jazz. E em grande estilo. Na radiola, rodando com a elegância que lhe é peculiar, um dos bateristas que me conquistaram com maior facilidade: Stan Levey. Já comentei sobre ele em outra oportunidade. Aqui, em Grand Stan, gravado em LA, em novenbro de 1956, ele se faz acompanhar pelos seus camaradas Conte Candoli (tp), Frank Rosolino (tb), Richie Kamuca (ts), Sonny Clark (p) e Leroy Vinnegar (b) - alguns desses participaram do disco anteriormente postado.


Natural de Filadélfia (1926), Stan Levey sempre gostou de dar pancadas. Seguindo seu instinto, pensou em tornar-se boxer, mas, para nossa sorte, ele percebeu que distribuir bofetadas não era o melhor caminho a seguir. Aos dezessete, já estava encarando a bateria ao lado de Dizzy Gillespie (1942). Sua sutileza ao conduzir seu instrumento logo o levou a ser um dos bateristas mais solicitados no cenário jazzy - participou de aproximadamente 1400 gravações com os principais nomes do jazz (Parker, Sims, Tatum, Webster, Gordon, Shank, Stan Getz, John Lewis, Ray Brown, Sonny Stitt, Barney Bigard, Gerry Mulligan, Vince Guaraldi, Lee Konitz são alguns entre outras dezenas de jazzistas com quem partilhou sua habilidade). Em 1975, Stan saiu de cena e entrou numas de ser fotógrafo (pelo que parece ele se deu bem na profissão) e nos deixou definitivamente em 2005.

Em Grand Stan, como sempre, sua performance é uma sutileza só. Não tem aquela história de soltar umas bombas só para dizer que é o líder da banda. O clima cool mantido pelos sopros também é sensacional - Rosolino, Kamuca e Candoli destilam sensibilidade em seus fraseados e nas vozes por eles harmonizadas. Clark e Vinnegar também conhecem o caminho das pedras. Aliás, eles são encarregados de, com Levey, manter as pedras nos devidos lugares para que a música flua sem atropelos. Pode comprar que é satisfação garantida.

Ouçam ali no podcast Quintal do Jazz
Link: Here

7 comentários:

Érico Cordeiro disse...

Mr. Salsa,
Seja bem-vindo ao contexto jazzístico. E que escolha! Um dos bateristas West Coast mais versáteis e criativos (capaz de rivalizar com o próprio Shelly Manne). E que combo!
Dentre as centenas de excelentes gravações de Mr. Levey, destaco os ótimos The Route (com os caretíssimos Chet Baker e Art Pepper) e The Arrival Of Victor Feldman (com o dito cujo e mais Scott La Faro).
Parabéns e um abração!!!

Salsa disse...

Duas cobras criadas: Manne e Levey. Eu não tenho esse disco do Victor Feldman - vou procurar.
Abraços,

figbatera disse...

Eu fico aqui humilhado por não conhecer quase nada do que nossos "mestres" postam em seus blogs; mas vou aprendendo um pouco a cada dia...
Obrigado, gente!

Salsa disse...

Ê, Olney, quem não te conhece até acredita...

Sergio disse...

Já já 'estarei comprando', caro, Salsa. Assim q encerrar a compra do Walter Davis Jr. "Davis Cup" q mr. Érico indicou, passo aqui pra comprar este. Como sabes, o rapdidshare não permite a compra de dois álbuns ao mesmo tempo.

Miguel Ângelo disse...

Mr. Salsa,

Mais uma lição de jazz. Consigo, com o Érico e com outros camaradas que por aí vou conhecendo, tenho jazz para aprender até...

Um grande abraço.

P.S.- O que me fascina em si, não são os seus conhecimentos ( esses toda a gente vê que são imensos). São a forma como os relata, como os sente e, como os vê...

Salsa disse...

Prezado Sergio,
Érico sempre faz boas indicações (vou atrás desse disco).
Miguel,
Gentis palavras, as suas. Às vezes acho meu texto excessivamente "impressionista", mas é assim que ele sai. Valeu a força.