segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Chet - 13 de maio de 1988 (versão 2)

“Tô de saco cheio de ficar esperando”, disse o maior dos três homens que aguardavam, no quarto do hotel, a chegada de um velho cliente. O menor deles, magro e de olhos pequenos, olhava pela janela em silêncio. O terceiro, sentado na cama, calculava mentalmente os juros da quantia devida e a ser recebida. Riu dos seus pensamentos. A negociação seria difícil, mas tudo se resolveria. “Posso acender as luzes?”, perguntou impaciente o grandalhão. “Não”, comandou o lacônico contador. Levantou-se lentamente da cama com um cigarro apagado entre os dedos e com olhar que mais escurecia o quarto.
A noite estava úmida. Era a primavera de Amsterdã. A água da chuva, empoçada na estranhamente limpa sarjeta, refletia uma trêmula e pálida lua - “A lua na sarjeta”, disse Chet Baker, e começou a solfejar com voz arrastada os versos da velha canção: “it`s only a paper moon / Sailing over a cardboard sea”... Tossiu e lembrou-se da última dose que o aguardava na gaveta do seu quarto de hotel. “Para embalar meu sono... Sonhar, talvez”. Atravessou a rua de olhos fechados tentando lembrar o último sonho sonhado. Riu com seus lábios secos: “meus sonhos adormeceram”.
Chet não estranhou a porta aberta e a surpresa com a visita foi breve. Já a recebera antes, em diversos momentos. O assunto era o de sempre: o dinheiro da mercadoria cuja última dose seria adiada. A conversa do quarteto foi rápida. O argumento cool do trompetista não comoveu os comerciantes europeus, que o lançaram pela janela. Chet, no chão, ainda viu a lua mais uma vez e disse “It`s only a paper”...

13 comentários:

F. Grijó disse...

É mais uma.
E, para muitos, a verdadeira: ele teria sido punido pelos traficas.
O texto é lírico, como um solo do velho.

Vale.

cd disse...

Salsa,
Providencie umas musiquinhas pra gente. Uma trilha sonora para a leitura.

Salsa disse...

Talvez um pouco demais. Lírico. Enxugarei a melosidade na terceira versão.

Anônimo disse...

Acabei de tomar conhecimento da morte do produtor Teo Macero no dia 22 de fevereiro.De longa associação com Miles Davis, período compreendido entre 58-82.Com o devido intervalo(74-80),em que Miles dedicou-se aos excessos físicos, sexuais e financeiros.Descanse em paz.Edú

Vinyl disse...

rest in peace, Macero. Grande produtor.

Sergio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sergio disse...

...E ele foi lançado ao precipício. Mas conseguiu ser feliz no asfalto... Está começando a inspirar um Curta, Salsa. Proponho um brainstorm para o título. Minha contribuição: "As 7 mortes de Chet" - faltam mais 5, portanto.

Amigos, vim por outro motivo. Outra contribuição. Por favor, ouçam isso:
http://www.zshare.net/download/81248072fa1eb1/
Mas, mais por favor ainda, é uma faixa só, opinem.

Anônimo disse...

Legal, Salsa, gostei! L´rica sim, com a lua(tremula e pálida) refletida na sarjeta...

Mª. Antonia disse...

Legal, Salsa,gostei. Lírica sim, com a (trêmula e pálida)lua refletida na sarjeta...

John Lester disse...

Resenha curta e perfeita, como um solo de Bird. Parabéns Mr. Salsa.

Gabriela Galvão disse...

Eu ia pedir "mais um", mas adorei a idéia d alguém ali q sugeriu mais cinco.
E a d quem disse p/ vc propor uma trilha.

Falar nisso, eu ñ achei o som da Square King na net. Ñ tive mt tempo p/ fuçar mt, mas se souber d algum lugar, fala p/ mim!


Am... Então, tah. Vida longa à "série".

Bj!

Salsa disse...

Valeu a visita, Gabriela. Amanhã (sexta) eu publicarei a terceira e última morte de Chet. Não dá para o cara morrer tanto quanto sugeriu o Sérgio. Aliás, faça uma visita ao blog sergio sônico. Tem muita coisa interessante por lá (é possível fazer downloads). O link está aí ao lado.

Sergio disse...

Valeu a propaganda, Salsa. Mas ninguém dirá nada sobre a versão do David Grisman para Milestones? Se vocês caírem no link, aqui em cima no meu comentário, verão que tem uns 20 e tantos acessos, só que desses, os tantos (poucos) são de outros navegantes os 20, certamente, são meus mesmo, que apesar de ter o álbum, não consigo passar pela postagem lá no Sergio Sônico sem clicar pra ouvi-lo de novo. É uma música vi-ci-ante! Tudo bem. Este sou eu, sou suspeito, alguém que já tenha ouvido pode até não achar aquela coisa toda. Mas confiram, pelo menos pr'eu saber e ficar todo prosa que meu vício é do bem!