sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Red Garland

Ficarei afastado durante o fim de semana, convidado que fui para uma festa em aprazível lugarejo do litoral capixaba com mar calmo, tépido e aconchegante, mais, pelo que conheço do povo, muita, muita, muita bebida de boa estirpe e acepipes ídem.

Antes de içar velas, deixarei mais um disco do grande pianista Red Garland. Um daqueles gravados no final dos anos cinqüenta (57, para ser exato) que o Predador disse ser dos melhores gravados por Garland, a saber, All morning long.

Ira Gitler esclarece nas liner notes que o grupo não era bem um grupo fixo, que excursionava e coisa e tal. A rapaziada (Coltrane, Red, Byrd, Joyner e Taylor) costumava se reunir para uns trabalhos aqui e acolá, contando, às vezes, com outros músicos como o altoísta Lou Donaldson, por exemplo. O fato é que é um disco realmente muito bom. São três faixas longas, nas quais Red Garland mostra sua capacidade de construir belas passagens em improvisos pouco ou nada repetitivos. O mesmo pode se dizer de todos os participantes, que têm espaço de sobra para mostrarem suas peculiaridades ao pilotarem seus instrumentos (confesso ter até curtido o longo solo do baixista George Joyner, na faixa All mornin' long - abertura do disco).

Ali no podcast do Quintal do Jazz vocês poderão ouvir Coltrane, Byrd e Garland dissecando They can't take that away from me.

Para os gulosos, eis o link do sítio que fornece o disco para download

7 comentários:

FIGBATERA disse...

Ótimo disco, Salsa. Já baixei.
Aproveite bastante da festa; depois nos conte como foi.
Abração!

Vinyl disse...

É, e os amigos ficam aqui na ralação. Quer saber? Eu também vou procurar uma festança para me esbaldar. Vou levar esse disco para trilha sonora.

Andréa disse...

haha,
muito bom o texto e os comentários, vou baixar.
boa festéeenha!!!!!!!!

Nico Nicodemus disse...

Muito bom o disco! Valeu pelo presentão! E cuidado com o fígado!

O Pescador disse...

Costumo dizer que os discos são como as cerejas... uns trazem outros.
Este All Mornin' Long fez-me retirar da prateleira o Black Pearls de Coltrane, onde a formação apenas difere no contrabaixo, aqui a cargo de Paul Chambers.
Para ouvir os 6 minutos plenos de swing com que Garland abre o tema Sweet Saphire Blues, que ocupa todo o lado 2 do LP.
Saudações.

Vinyl disse...

Prezados visitantes,
Não encontrei nehuma festa mas achei outros bons discos. Já está no blog.

Salsa disse...

Final de semana do melhor tipo. Gente agradável, cozinheiros excelentes, bebidas inquestionáveis, praia soberba. Se ficasse mais um dia eu não saberia voltar para casa.