quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Dizzy Reece

É impressionante a quantidade de coisas que a gente encontra na rede. O trabalho (mais que agradável) fica por conta do selecionar algumas delas (são muitas opções) que agradem ao meu ouvido para que eu possa partilhar com os colegas visitantes. Pelo andar da carruagem, creio que passarei o resto dos meus dias falando sobre discos que me surpreendem, que prendem minha atenção, que me fazem sentir uma inveja danada daqueles que conseguem tocar um instrumento (eu tenho duas mãos esquerdas sem sincronia).


Hoje, por exemplo, estou às voltas com um disco de um trompetista que pouco conhecia (creio que tem alguma coisa postada lá no jazzseen). Trata-se do jamaicano Dizzy Reece, que, não se desesperem, não é músico de reggae. As liner notes do disco afirmam que ele foi "importado" de Londres, em 1959, por Alfred Lion, um dos papas da Blue Note, que se deixou levar pela sonoridade do então jovem de 28 anos que destilava seu veneno nos botecos londrinos.

Star bright marca sua chegada ao solo dos Estados Unidos. Chegada recepcionada pelo excelente time da Blue Note formado por Hank Mobley (tenor), Wynton Kelly (piano), Paul Chambers (baixo) e Art Taylor (bateria). O resultado não poderia ser outro: excelente.


Deixarei no podcast Quintal do Jazz o tema The rake, composto por Reece.


O disco está aqui no avax: here!

4 comentários:

Salsa disse...

Eu também não conheço a discografia do reece. Sei que gravou alguma coisa na Europa antes de ir para os EUA.
O som desse disco é bem agradável. Reece e Mobley formam uma dupla e tanto.

Vinyl disse...

Lester havia deixado uma caixa com três discos no jazzseen, mas, quando procurei, já havia sido deletado.

John Lester disse...

Prezados, espero não incomidá-los, mas encontrei alguns endereços novos, absolutamente indecentes, imorais e ilegais. Estão lá no Jazzseen Downloads.

Para onde esse mundo vai Vinyl? Hein Salsa? Pra onde?

Grande abraço, JL.

Salsa disse...

Espero que não engorde. Passarei lá para conferir.