sábado, 21 de junho de 2008

A nova face do fascismo

Como os colegas blogueiros estão, pelo que parece, de férias, sou forçado a escrever mais um pouco. Inicio com minha indignação com o fascismo galopante que está tomando conta desse país. Já não posso fumar, agora terei que parar de beber? Não tarda e tentarão me impedir de comer a sagrada feijoada... Antes que aconteça, reajamos!

De acordo com a "lei" de trânsito fabricada em função da histeria coletiva que domina essas plagas, sou obrigado a ficar em casa. Deixei, ontem, de ir assistir os colegas tocarem porque eu teria que gastar em torno de setenta merréis só de taxi (havia uma blitz no trajeto). Acrescente o vinho (o mais barato possível), o petisco mais o couvert e a conta não sairia por menos de duzentos. Poderiam mandar fechar as fábricas de bebidas e pronto.

Todo mundo já está careca de saber que o Brasil varonil é marcado por não cumprir as leis que existem - se o fizesse não seria necessário ficar inventando essas bobagens que só servem para aporrinhar a paciência do cidadão e encher os bolsos dos corruptos de plantão. Ou vocês acham que, diante de uma multa quase mil reais, a cambada não vai estorquir o otário que for parado nas blitzes?

Como disse meu irmão, lei desse tipo é atestado de incompetência do Estado. Se levada ao pé-da-letra faltaria lugar na cadeia (se houvesse), e, de quebra, fecharia os bares e as fábricas de automóveis. Proponho, ao molde argentino, um panelaço, ou melhor, um copaço, com muita birita.

Enquanto você não cai nas mãos dos nazistas, ouça Mose Allison interpretando Don't get around much anymore.



12 comentários:

João Luiz disse...

Concientização (desde os bancos escolares) e fizcalização permanente seriam as soluções mais adequadas, emfim.... Mas, sr. Salsa, quem manda você morar longe.Eu por exemplo moro pertinho do Balacobaco. Vou lá bebo a valer, escuto boa música e volto p'ra casa a pé. Quer mais? Que venha o "fascismo"!!!

Don Oleari disse...

Mr. Salsa:
vai ser um poblema, como diz a prefeitinha de Viana. Mas, aqui em casa já combinamos alternar sempre: na primeira saída prus butecos minha parceira dirige, eu bebo. Na segunda, eu bebo e ela dirige. E assim sucessivamente.Abraço do Oleari.

Salsa disse...

Ô, João, assim o pessoal vai achar que você não sabe português... Pára de sacanear e escreve direito, pô.

Salsa disse...

Oleari, o "poblema" é que estou só. Não tem ninguémpara fazer o carreto.

Diego disse...

É professor, veja o lado bom, um incentivo à corrida contra a pança...

obs: tenho um pedido a te fazer, mais informações, vide o e-mail...

João Luiz disse...

Pronto mr.Salsa: conscientização, fiscalização e fascismo sem aspas. A culpa é do meu computador, um ignorante que não escreve nada direito. Correção feita. Please excuse!

Gabriela Galvão disse...

E perto da Lama, c mora?! Quero t pagar logo seus 10 merréis!!!!


Vlw e bj

Sergio disse...

Dia desses, tipo semana passada, me chega o amigo carioca leblonino da gema, ora internado em Vitória, com uma história cabeluda pra contar. Que logo naquela manhã pegara metrô no Rio e ficou horrorizado! No banco a sua frente, em pleno meio dia – de semana -, duas menores de idade se pegando desavergonhadas, tal qual filme impróprio (fossem di maior valia?)... E que o Rio tá uma imundice e coisa e tal... A mim pareceu que o cara viera, no mínimo, de Reykjavík, tamanho espanto com a rotina carioca...

Então tá. Mas, pô, Salsa, o povo de Vitória está assim tão 1º mundo que nem se utiliza mais de transporte público? Nem um 'catacorninho', como aqui, um "Grajaú-Jacarépaguá" Circular pra te trazer e levar?

Concordo com a maioria de suas justas reclamações, mas esse negócio de dirigir mamado - inda por riba esse povo deselegante e mal educado - dá boa rima, mas o samba é funk proibidão. Tem jeito não, amigo.

Salsa disse...

Tem não, Sérgio. Ônibus, só para trabalhar. Lazer não entra no coletivo. A gente até consegue chegar, mas voltar, meu velho... depois da meia-noite parece que todos os catacornos viram abóbora. Não se trata de defender bebão mal educado, mas do excesso legislativo. Parece que os caras se embriagam fazendo leis. O ponto é o seguinte: as leis tendem a ir para o limbo por atavismo estrutural das instituições. Tá parecendo aquela lei que obrigou todo mundo a comprar um kit com esparadrapo para primeiros socorros em caso de acidente. Alguém se deu bem.

Salsa disse...

gabriela,
(ponha um som macabro no player)
Você me vendeu a sua alma. Uma noite dessas eu passarei para buscá-la.(riso diabólico se misturando com a música macabra e com vento sul que assobia na janela... e fade out)

Sergio disse...

Mudando de assunto: será que todo o mundo nobre do jazz, esse daqui, já tem o Chico Hamilton que postei lá no sergio sônico?

Qd o Edu q me deixou só, pregando no deserto? Eu sei que ele não baixa nada, mas pelo menos dá uma força...

Gabriela Galvão disse...

Qq noite dessas vc passa p/ pegar minha alma? Eu sou uma desalmada!!!! Agora se estiver falando da carne, demora ñ q eu ñ vou pagar juros!!!

; )