sexta-feira, 6 de junho de 2008

Bonerama balança Rio das Ostras


A Tartaruga é uma ponta de pedra que invade o mar, como um pier. O mar azul em torno e o privilegiado pôr-do-sol foram fatores decisivos para que ali fossem realizados os shows vespertinos do festival. Foi ali, embriagado pela beleza do local (juro que só pela beleza), que eu assisti o show do grupo Bonerama.


A platéia, apinhada como tartarugas no período de reprodução, esperava o show do grupo de New Orleans. Ninguém demonstrava nenhuma insatisfação com o desconforto - o clima de festa supera quaisquer incômodos. O grupo sobe ao palco e inicia os trabalhos. E vem como um rolo compressor: puro balanço, muito rock'n'roll, que surpreende aqueles que esperavam o som mais tradicional, dixie, característico das brass bands.


A formação da banda, com quatro trombones (Mark Mullins, Craig Klein, Steve Suter e Greg Hicks), um souzafone (Matt Perrine), guitarra (Bert Cotton) e bateria (Eric Bolivar), anuncia a mescla entre a tradição e o contemporâneo, que logo se revela com os temas trabalhados e com os arranjos. O grupo usa e abusa dos ícones do rock'n'roll: Hendrix, Zeppelin e Black Sabbath têm suas músicas relidas pelos metais dos branquelos de New Orleans. Os jovens e nem tão jovens assim foram arrebatados pela pegada dançante que dominou completamente o show.


Um dos líderes do grupo, o trombonista Mark Mullins (foto by Cezar fernandes) não se furtou a plugar o seu instrumento, produzindo aquele som turbinado das guitarras (que o slide natural do trombone facilita). As vozes dos trombones, muito bem arranjadas, não dispensaram os clássicos recursos polifõnicos das bandas dixies nos momentos dos improvisos. Foi uma tempestade de som.


O clima foi o mesmo no sábado, quando o grupo encerrou a noite. A multidão, mais que satisfeita, agradeceu com efusivos aplausos. A boa impressão foi recíproca. O grupo deixou um post no myspace:

"On Friday we they bring us to this stage that is one of the most exotic places we have ever played. Its on a rock that jets out into the Atlantic Ocean. (Hope fully some pics will appear soon) Its a free festival so lots of people showed up and really loved what we did.
The next night was on this big stage that they said 10,000 people come out to. They had us closing the show! We were honored and excited to be at this time slot. We didn't go on till after 12:30am (the other bands probably didn't want to start that late, but we are used to it. Maybe that's why we played last. LOL) and started our show hitting it hard, but what happened as the show went on was cool. Toward the end of the set the crowd was totally there and moving and grooving hard. We played our last song and left the stage only to be brought back on with the crowd chanting Bone-a- Rama over and over. We came out and played War Pigs and they went freaking crazy. There are some serious metal heads down there. After we finished we walked off only to be called out for a second encore! A first. We had a request from our really cool festival music producer, Herbie, to do The Ocean so we knocked it off and sailed through it with the crowd head banging away."

4 comentários:

PREDADOR.- disse...

Já não aguento mais este "xarope" sobre Rio das Ostras. Virem o disco, o jazz está no ar, pulsante. Vamos trabalhar minha gente!

Salsa disse...

Predador,
crie um blog para você, pô!
Avisarei ao João para não permita que você copie o disco que eu estou preparando para ele.

João Luiz disse...

Pô Salsa, faça isso não. Que eu tenho a ver com os comentários malígnos e atrevidos do Predador?

Anônimo disse...

Your blog keeps getting better and better! Your older articles are not as good as newer ones you have a lot more creativity and originality now keep it up!