sexta-feira, 6 de março de 2009

Art da guerra - Farmer's Market

O arsenal dos anos cinqüenta é vasto e de boa qualidade. O petardo que separei para abalar os corações dos vizinhos e visitantes é capitaneado pelo som do trompetista Art farmer. Trata-se do clássico Farmer's market, gravado no dia 23 de novembro de 1956. Creio que todos devem ter esse disco em casa.

Farmer é, para mim, um dos mais gentis instrumentistas de jazz. E é justamente aí que está sua força - o seu som é capaz de capturar a atenção do ouvinte e subjugá-lo sem usar muita força. O efeito sedutor desse disco assume maior proporção por contar com o excelente Hank Mobley (ts), com o grande pianista Kenny Drew e, completando a cozinha, Addison Farmer (b) e Elvin Jones (ds). Esse último é criticado por um excesso de pratos em algumas faixas, mas não é algo que precisa ser elevado ao patamar de um crime de guerra.

No podcast Quintal do Jazz vocês podem ouvir o tema Ad-Dis-Un, de Kenny Drew.

O link, se funcionar, está HERE

3 comentários:

edú disse...

Para muitos conhecedores de jazz Art Farmer foi o maior flugelhorn do jazz.

Sergio disse...

Salsa, vc créu errado. Não tenho. Tenho algumas Artes do Farmer, esse...Valeu! A guerra se acirrou. Ô meu deus!

Vina, o 'Branfa' é bom, mas tinha alguns senões: Réquiem um senãozão. Elysium é lá e cá, no sentido de lá, muito distante e cá, quando é perto do que gosto. In The Crease abriu legal e de Cheek To Cheek em diante o álbinho vai tomando o rumo certo. Countronious Rex, me deu medo, com os seus 17 minutos, mas arrepiou! É aquilo: minhas limitações. Gosto do jazz com um tema e as digressões. Mas, quase sempre, tem q ter um tema-porto-seguro e a volta ao tema. Se ficar só na ego trip me cansa, já que cada ego é individual, o artista tem q ser muito féla pra nos contaminar.

Agora, vejamos o Farmer, no sentido da guerra, que meda.

João Luiz disse...

Esse sim é o disco, não aquela "coisa horrorosa" do Brandford Marsalis, postada anteriormente pelo sr.Vinyl. O sr.Sergio é muito generoso quando diz que o disco do Marsalis "é bom, mas com alguns senões". Esse "Market", além de ter sido gravado em uma década bastante frutífera do jazz, temos o líder Art Farmer, um trumpetista correto e exímio tocador de flugelhorn, contando com o apoio de um Hank Mobley, saxofonista de sopro vigoroso e inventivo e um Kenny Drew articulado, mostrando grande habilidade em seus acordes, gerando improvisos de grande impacto. Com tantos músicos bons juntos, nem dá para se perceber, mr.Salsa, os excessos do "prateiro" Elvin Jones.