terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Joshua Redman

Boa tarefa me restou: falar do som dessa fera chamada Joshua Redman (aqui mesmo decantado, em outro momento, por meu parceiro Salsa). Nunca tive o prazer de ouvi-lo ao vivo, mas tenho uma boa discoteca com seus trabalhos. Isso me permite dizer que Joshua é uma das melhores coisas que já aconteceram no território do jazz - e não me restrinjo ao som contemporâneo. A facilidade com que ele manuseia seus saxes é espantosa. É difícil imaginar como um cara tão jovem pode deter técnica e sensibilidade tão impressionantes ao criar seus solos (esse contraste é, diga-se de passagem, um excelente presságio - como ficará esse rapaz dentro de alguns anos? O céu é o limite).


Hoje eu não deixarei nenhum disco em especial, mas um vídeo. Em post anterior, Edú comentou sobre a performance de Joshua e Carter no show em homenagem a Clint Eastwood. Pois bem, busquei no youtube essa passagem genial para o deleite dos nobres visitantes. Vocês poderão vislumbrar um dos grandes momentos do jazz contemporâneo.

16 comentários:

John Lester disse...

É... Difícil escolher o melhor, se há que existe um. Mas, não sei porque, ainda fico com o James Carter, isso levando em conta não apenas as gravações, mas também a sorte de já tê-los ouvido pessoalmente. Sinceramente, nunca vi nada igual ao show de Carter - não lembro se no Free, Chivas ou Tim. Ele massacra no tenor, brinca com o barítono e surpreende com o soprano. Sem levar em conta a boquilha que utiliza, tornando a troca de palhetas inacreditavelmente rápida.

Excelente resenha Mr. Vinyl, os meninos merecem.

Grande abraço, JL.

Salsa disse...

Lester,
Eu achei o Carter, nesse vídeo, mais "moleque", mais brincalhão do que o Redman. Parece que Carter quer ver o circo pegando fogo. Quando ouvi Redman em Ouro Preto achei o cara um craque(e continuo achando), mas Carter não fica atrás. Os dois são fantásticos.

John Lester disse...

Exato Mr. Salsa, algo como Garrincha e Pelé. Difícil dizer que Pelé é o melhor quando observamos Garrincha entortar as pernas de quatro zagueiros ao mesmo tempo.

Grande abraço, JL.

edú disse...

Respeitando a opinião desses dois craques do conhecimento do jazz e saxofonistas(JL e Salsa), já tive experiência semelhante de assistir - JC e Redman - ao vivo.JC(uma vez), Redman (três).A primeira vez de Redman, foi ,ainda, com um grupo q tinha os então “molequinhos” Christian Mc Bride e Brad Mehldau no grupo.Redman foi sempre “caxias” nos estudos.Fez escola preparatória para Medicina mas acabou optando pela bolsa oferecida em Ciências Sociais por Harvard.Também recebeu oferta de bolsa de Yale e cursou dois anos de Direito naquela universidade em virtude de seu currículo escolar.Joshua, um sujeito simpaticíssimo, aliás, foi "eleito o músico de jazz mais bem vestido dos Estados Unidos" pela revista W.Se Carter é mais versátil na família dos saxes,Redman é poderoso no tenor.Ambos dividiram também a tela e o palco no filme de Robert Altman, Kansas City.Redman, apenas tocava, representando Lester Young no filme.Carter,da mesma forma, representando Ben Webster.Sendo a trilha sonora a melhor realizada no contexto de jazz dos últimos 30 anos.Mas se pensar no melhor saxofonista estadunidense das últimas duas décadas, minha escolha recai sobre a terceira opção Branford Marsalis.

Internauta Veia disse...

Vcs. que sao "experts", decidam quem e o melhor...se for possivel!
Eu, leiga, acho uma maravilha, um privilegio, ouvir e ver estes musicos magnificos!Obrigada, Mr. Lester , pela indicação ( la no Jazzseen)
Parabens,Vinyl,pela postagem!

Don Oleari disse...

Vinyl, brigadú pela postagem...
Você mandou mais do que eu esperava, o duo Redman e Carter...
Como diz a cumpanhera internauta aí, é um privilégio desfrutar aqui músicos da hora, arregaçando e mexendo com todos os neurônios - alguns dos meus, creio que já imprestáveis, ressuscitaram, pode ter certeza! - depois de ouvir os dois brincando desse jeito. Valeu.

Mas, como papo puxa papo,seria uma boa, dirrepentimenti,se existisse alguma coisa gravada proceis mostrarem o Joshua com o Mc Bride e o Mehldau, mencionado pelo Edu.
Fica a imploração. Abraço do Oleari.

Gabriela Galvão disse...

Vim ver o cardápio e dar um beijinho em vcs.

Encontrar esta maravilha foi um bálsamo!

Bisous

edú disse...

Prezado Don,
No disco "Mood Swing" de Redman a “patota” é Mehldau, Mc Bride e o espetacular Brian Blade na bateria.No "Timeless Tale" é Mehldau ,Larry Grenadier (no contrabaixo) e Brian Blade de novo.Mas se optasse por apenas três de sua discografia escolheria o primeiro de titulo Joshua Redman (meu favorito), Wish(segundo disco ) e o disco q fez junto com Joe Lovano chamado Tenor Legacy

Salsa disse...

Tenho todos os citados por Edú. Depois eu te arranjo uma cópia.

Don Oleari disse...

Edu e Salsa:
Estava certo Jota Cristo quando disse (se é que disse): "junte-se aos bons e serás um deles".

Brigadú pela discas, Edu, e brigadú pelas peças, Salsa. Aceito, claro, e podemos brindar com aquele Morandé que o John Lester postou: agente meia, 35 pila pra cada um. Abraços do Oleari.

Sergio disse...

Amiguinhos, essa discussão docês - que não chega a briga de cachorro grande - dois gentlemans... Me fez correr atrás pra ouvir o James Carter. Já o tinha num álbum apenas. "In Carterian Fashion", goloso que sou e que só, fui buscar mais do mesmo: que disco é esse? esse tal de James Carter (Present Tense) de 2008? Carácoles! E que música é essa Shadowy Sands???

O Joshua eu tenho quase tudo, conheço de outros tantos carnavais, mesmo antes do Jazzseen que me deu um norte em jazz, mas esse James Carter... Carácoles...

Continuem brigando amiguinhos!

edú disse...

Sergião, esse último do James Carter eu não conheço em razão de não comprar cds há três anos.Como não cópio e nem faço download vou ,completamente resignado, ficar na mesma.Mas sugiro, pelos recursos q achar conveniente conhecer JC on the Set,Conversin with the Elders e Chasin the Gypsy (meu favorito) de Carter.

Sergio disse...

Graaande Edu!, pelos recursos que eu achar conveniente, né? Intão tá. Tou autorizado a usar meus recursos? Vou começar pelo seu favorito, Chasin the Gypsy. Valeu a dica, q sei foi de coração.

Voltando ao passado 2008 de "Present Tense", fui pesquisar no allmusic de quem é a TAL música "Shadowy Sands". Consta como autor um tal de Jimmy Jones, pianista e antiqüiqüíssimo(ah q falta me fará o trema!) nome do jazz, infelizmente, de poucos discos na praça - virtual.

edú disse...

Sergião - meia noite e dezoito.Rio de Janeiro.Carnaval.Me lembrou do q passei em 2003 em Salvador."Acorrentado" com a namorada da epóca.Com minha imaginação divagando perante ao cenário q contemplava povoado de situações impublicáveis e ao mesmo tempo dando proteção a minha companhia q tinha um corpo espetacularmente esculpido por horas de academia.Falando em Jimmy Jones, só tenho cd dele como sidemen mesmo

Salsa disse...

Quem estava protegendo quem, Edú? Você ainda vai matar os navegantes de inveja.

John Lester disse...

Salvador? Rio? Esse tal de Edù não sabe o que é um Carnaval em Vila Velha - ES. Nenhum bloco de rua, nenhuma aglomeração alegre, nenhuma menina sarada sambando na velocidade cinco, nada, absolutamente nada. Seria Deus capixaba?