terça-feira, 1 de julho de 2008

Como as crianças brincam no quintal do jazz?

Ok, Quintal do Jazz, então tá. Vamos ver o que está brotando nesse terreno. Doravante eu buscarei as novidades que eu encontrar por aí. Quero ver como as crianças têm brincado, como os novos jazzistas se comportam com seus novos e velhos brinquedos: os instrumentos.


Vou começar com um cara, um francês, que virá ao "Tudo é jazz" deste ano, em Ouro Preto: Michel Portal. Multi-instrumentista (toca saxes, clarinete, bandoneon e os cambau), ele é considerado o papa do jazz moderno francês. Andou experimentando (anos 60 e 70) o free jazz - aquela história de explorar as possibilidades que a música permite. Sua alma aventureira parece não parar de buscar novas sonoridades - desde os anos oitenta tem-se unido a músicos como Dave Liebman, Solal, Mino Cinelu e, de acordo, com o allmusic, até alguns músicos daquele que costumava ser chamado Prince (nesse caso, para fazer um som mais fusion jazz/rock).

Eu tenho o cd duplo Minneapolis, gravado em 2002, com a participação de Vernon Reid (guitarrista do Living Colour), Tony Hymas (piano/teclados), Sonny Thompson (baixo) e Michael Bland (bateria). Aliás, com esse título foram editados mais dois cds, todos no mesmo ano. Para mim, o ponto alto é a interpretação de Goodbye Pork Pie Hat, a homenagem de Mingus a Lester Young. Nessa faixa, Portal usa o clarinete baixo. O clima ficou curioso. Outra faixa interessante é Judy Garland - também interpretada com clarinete. O ritmo quebrado, marcado pelo baixo e pelo piano, mostram uma latinidade estilizada bastante agradável. O disco, como um todo, mesmo recorrendo a sonoridades tecnológicas que podem afetar a sensibilidade dos puristas, guarda uma melodiosidade interessante em sua estrutura.
Ouça ali ao lado, no meu podcast.

6 comentários:

John Lester disse...

E a emoção, você a localizou?

Talvez eu não tenha tido sorte com o que ouvi de Solal. Mas, depois dessa resenha, voltarei a pesquisar o francês, nem que seja acompanhado de um bordeaux, rs.

Grande abraço, JL.

Salsa disse...

ô, Lester, é Portal.
CD,
O som do francês não fez a minha cabeça, não. Eu tenho outro disco, mais recente, no qual ele até que manda bem com o tenor.
Esse ano deverei economizar um troco em Ouro Preto (os franceses tocarão na sexta).

Sergio disse...

Caríssimos do Jazzigo, em especial Edu. O recado é mais pra ele: seguinte, meu camarada, uma tal DMC empresa provavel-e-literamente fantasma pq só faz assombrar blogueiros voltou a atacar, fazendo ameaças de multas, rastreando endereços, enfim, terror babaca de raquerzinho chinfrim que não tem como ocupar o tempo. Atacou numa época passada (logo no início do Sônico) em q a inesperiência quase me fez desistir dessa brincadeira prazerosa de apresentar e trocar arte e cultura a quem chegar. É muito chato dar-se ao trabalho q a gente se dá para receber essa paga. Pq com a DMC vem toda sorte de trotes escrotos, grosserias e as etcs q quem conhece os blogs está careca de conhecer. O recado é dedicado a vc, Edu, pq és o único q assina com o recurso do "anônimo" - para vcs verem a força da DMC... É só restringir acesso ao anônimo que ela se cala. Então é isso.

Sergio disse...

... Continuando: ao restringir o anônimo (q são os que não tem Blog nem Gmail) deixo de contar com a participação sempre estimulante do amigo... Mas continue me visitando... Enfim (agora sim) era isso.
Valeu, gente boa!

FIGBATERA disse...

Este espaço aqui mudou de nome e nem deu uma explicação pros seus fiéis leitores?!...

John Lester disse...

Portal e Solal, dupla avinagrada pra diabo.

Desculpe a falha. Acontece.

JL.