domingo, 28 de outubro de 2007

Joe Lovano Nonet: sensacional!

CD, o que eu ouvi e vi ontem à noite, no teatro da Ufes, lavou a minha alma. Refiro-me ao show do noneto de Joe Lovano. Foi realmente espetacular. Quando ele anunciou a homenagem ao cool jazz, citando o antológico disco "nascimento do cool", senti que o negócio seria de primeira. Arrepiei-me com o tema de abertura, On a misty night, de Tadd Dameron, que prometia o que realmenete sucedeu: um showzaço. Os arranjos privilegiaram as performances dos componentes do noneto. Não houve personalismos - todos deitaram e rolaram. As trocas de compasso, o naipe sutil, os temas escolhidos, tomaram de assalto uma embasbacada e educada platéia. Baixo, bateria e piano demonstraram uma coesão inefável. Encontrei o Salsa, que teve a mesma impressão (tiete do Monk, ele elegeu o tema Ask me now como o momento sublime do show). Quem foi, ouviu jazz da melhor qualidade. Uma justa homenagem ao que de melhor se fez no território do jazz. Irrepreensível. Vou correndo atrás dos discos. Se eles captarem 30% do que eu ouvi, já está valendo.


PS: Quanto ao Paulo Moura, não dá para comentar. Além de não ter conseguido ouvi-lo, eu não entendo de forró.

4 comentários:

cd disse...

Olá, Vinyl,
desculpe-me a longa ausência. tive que ficar uns dias em Goiânia resolvendo problemas para a empresa. o trabalho me exige isso.
Fiquei com a inveja e com a esperança de incluirem Brasília nesse roteiro. mesmo que seja para assistir apenas um grupo de jazz.
Eu tenho o disco 52th street themes. É interessante. Acho que até ganhou o Grammy ou qualquer coisa do gênero. depois eu deixarei na caixa postal.

Anônimo disse...

Você esqueceu do Joe Lovano "Celebrando Sinatra" que é muito bom também. Um abraço Osvaldo

Vinyl disse...

Para complementar a resenha,copiei a matéria do caderno 2 de a gazeta:
Acompanhado por Steve Slagle (sax alto e flauta), Ralph Lalama (sax tenor), Gary Smulyan (sax barítono), Barry Ries (trompete), Larry Farrell (trombone), James Weidman (piano), Dennis Irwin (baixo) e Steve Williams (bateria), Lovano abriu seu show com "On A Misty Night", do pianista Tadd Dameron, um de seus compositores preferidos e de quem ele também tocou "Whatever Possess'd Me".

A suíte "Birth of the Cool", nome do famoso álbum gravado por Miles Davis, trouxe o arranjo de Gunther Schüller para três movimentos do álbum: "Moondreams", "Move" e "Boplicity". De Thelonious Monk, Lovano incluiu "Ask Me Now". Jazz clássico, aprovado pelo platéia, que aplaudiu de pé.

Anônimo disse...

Ótimo, espero, com compostura, descobrir novos blogs de jazz.O q eu mais aprecio em resenhas e a vibração e êxtase demonstradados pelo autor.As vezês a forma e até discutível, mas o q importa e a paixão q, se houve uma, ele foi tomado nessa experiência.Esse e o sentido essencial da música.Sou ciente dessa "pratica" indisseminada das cópias.Mas as de reportagens estão proliferando.A favor foi concedido o crédito.Edú