terça-feira, 8 de abril de 2008

Manne, Previn & Vinnegar

Um amigo paulista, pianista bem-humorado, costuma brincar que, ao tocar com baterista, deixa o revólver ao lado do teclado, bem à vista, como um recado: se o tocador de tambor entrar numas de bombardear seu instrumento, leva bala. Esse é o tipo de recado desnecessário para Shelly Manne. Protagonista de primeiro time da história do jazz, Manne prima por um toque sutil e preciso, que pode ser constatado em suas gravações. Vocês perceberão - aqueles que não o conhecem - que ele é um bruxo com suas vassourinhas. Curiosamente, ele já gravou sem a presença de baixista e pianista (The three and the two - depois dedicaremos maior espaço para esse disco). O que agora escuto é Shelly Manne and his friends, vol. 1 - no caso, os amigos são o pianista André Previn e o baixista Leroy Vinnegar, gravado em 1956. Manne cede claramente o primeiro plano para Previn (ainda com 27 anos), que, demonstrando o peso de suas mãos, não tem pena do piano. O jovem pianista mostra sua força percursiva dedilhando seu teclado com precisão, criando frases arrojadas de extrema clareza e não temendo usar blocos de acordes. Sintam o clima de Collard greens and black-eyed peas e de Girl friend.

7 comentários:

Salsa disse...

Esse é bom de ouvir. Estou aguardando informações sobre o The three and the two.

João Luiz disse...

Excelente este disco do Shelly Manne: o famoso "disco dos passarinhos". Shelly nem parece o lider do trio, manejando sua bateria com a sutileza e competência de sempre, sem pirotecnias nem solos extensos. Como mencionado por CD, ele não iria precisar nunca de um revolver ao lado de sua bateria. Previn em grande forma e Vinnegar com seu dedilhado sempre correto e eficiente completam o trio. As músicas são todas ótimas. Boa pedida sr.CD.

Sergio disse...

Miamarro em batera e esse papo de "atire no baterista" é uma maldade que fazem com os caras. Mesmo os que se arrojam. Eu dava um tiro em quem atirasse num Billy Cobhan, por ex. Enfim,

"John Williams (Et, Tubarão, Guerra nas Estrelas, etc.) deixou a sua marca não só como pianista, mas quase de forma inevitável, como compositor, ao escrever a memorável música para a esquecida série televisiva Checkmate, no seu trabalho, absolutamente excepcional, enquanto arranjador, para Shelly Manne,"(...).

Esse mesmo Checkmate reouvirei, graças a sua lembrança, CD, assim que conseguir me desgrudar do álbum triplo, recém adquirido, que escuto obsessivamente: "The Complete CBS Studio Recordings of Woody Shaw". Coisa de louco, amigos.

Mª. augusta. disse...

Piano, baixo e bateria (muito legal, uma delícia as vassourinhas)o trio perfeito! Bateria discreta...show com as vassourinhsa, maravilha!

Sergio disse...

Em tempo: O álbum em questão "and Friends" baixou tão rápido no soulseek e eu ouvi tão amarradão que cabe um comentário: POXA, caramba...
E os cavalheiros da casa entenderam que não quis dizer na verdade, nem "poxa", muito menos "caramba".

Jazzwoman disse...

Vc. foi muito educado, Sérgio, afinal , este é um lugar sagrado!

Anônimo disse...

John Williams é um competente musico - não de jazz -, arranjador e "trilheiro" que sabe associar a carga dramática com sonorização marcante.Outro trabalho que realiza é a frente do grupo sinfônico popular "Boston Pops".Com grande mérito , como já conferi pessoalmente.Edú