sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Spread a little joy

Dizem que o apocalipse (em 2012) chegará pela costa oeste dos EUA. Terremotos, maremotos, gafanhotos e sapos cururus despencando do céu enquanto golfinhos devorarão aqueles que se arriscarem no pier para ver de perto a galopante desgraça. Tenho um amigo que mora naqueles lados. Penso em passar uns dias em sua casa. Talvez, quem sabe, encarar uma tsunami que me leve até a costa leste.

Eis a cena egoísta dos meus sonhos: eu, na varanda, ouvindo um bom disco - pode ser Jack Montrose & Pete Jolly Quartet (que se completa com o baixista Chuck Berghofer e com o baterista Nick Martinis) atacando belamente A thing of beauty, enquanto beberico uma taça de um bom shiraz. Arriscaria até umas tapas num bom charuto cubano, daqueles que sabem às coxas de uma também bela seguidora de Fidel. Lá fora, lá embaixo, a turba insandecida tentando evitar a inevitável morte. A musa azul, quiçá, lá estaria, em meus braços, plácida, em contraponto ao caos que nos cerca. É assim que você me deixa: sinto-me tranqüilo. Curtimos mais um pouco de The sunset hour com o céu vermelho e os prédios alaranjados. É uma pena que isso acabe.

Ouçam ali no podcast Quintal do Jazz

Link: aqui no Avax

11 comentários:

figbatera disse...

Não vai acabar não, Salsa!

Gostei da pintura que ilustra o blog; vc é mesmo um artista...

figbatera disse...

... e o seu texto está uma delícia!

Érico Cordeiro disse...

"It's the end of the world as we know it... and I feel fine",
Ou, morrer ao som de Montrose e Jolly - "such a heavenly way to die".
Mas, como já disse o Fig, ainda há muito jazz prá se ouvir.
"Anunciaram e garantiram que o mundo ia se acabar..."
Abração!

Salsa disse...

Valeu, Fig. Tô pegando umas aulas com Lester. Essa foi a minha primeira tentativa.
Érico,
Espero que sim. tem muita coisa para ouvir.

pituco disse...

salsa san,
ma che sculhambacione...acabar o mundo, agora que o rio vai sediar as olimpiadas de 2016?...rs

os engenheiros do universo poderiam adiar mais um pouco o fim-dos-tempos pra gente curti mais música e blogs bacanudos como esse teu aqui...

valeô
abraçsons pacíficos

John Lester disse...

Mestre Salsa, sempre apelando para o fim do mundo quando quer ganhar mais um beijinho. Lembra até André Gide, capaz de descer ao mais profundo subsolo por um coito, ou dois.

Mas será improvável que o mundo termine afogado na terra do fogo. Um amigo residente em Santa Clarita, dorme com um extintor extra large ao lado da cama. E o ar condicionado no mínimo.

Que pena que isso acabe, não é mesmo Mestre Salsa? O beijo ou o mundo?

Grande abraço, JL.

Salsa disse...

Um já acabou, Lester, um já acabou. Só falta o outro.

Ana disse...

Que estejamos juntos, pois, no fim, a nos tranquilizar...

O amigo da batera está com a razão: teu texto está com o sabor de 'um bom shiraz', como tudo que até hoje provei de ti.

Musa Azul.

Salsa disse...

Ia enviar-te o texto, antigo mas atual,rs. Publiquei parte no post acima: aviso aos navegantes. Uma história que eu conheço bem.

jazzlover disse...

Meu caro Salsa,ouvir o Jack Montrose tocando com o Pete Jolly vendo o mundo acabar, positivamente não combina.Concordo que estamos caminhando para destruiçao paulatina do planeta e os fatos estão a comprovar é por isso que precisamos marcar encontro antes, caso isto ocorra, em outra galaxia,com nossos arquivos de musica evidentemente pois, sem musica,a alma fica pequena !

Salsa disse...

Com certeza, mr. Lover. Vamos ligar as vitrolas.